10/03/2010

Pré - Conceito

Ultimamente não entendo o porque. Tive duas experiências próximas com pessoas com deficiência.

Uma foi numa aula na Pedagogia e fiquei impressionada com a capacidade de um rapaz que não tinha visão e sabia tudo de informática. Ele comentou como a sua vida foi díficil e como teve uma independência na vida. Comentou que através de um sistema de computador chamado Dosvox, conseguiu ter acesso a internet e foi uma ferramenta de grande importância para a sua vida acadêmica e profissional. Fiquei muito sensibilizada naquele momento.

Guardei tudo aquilo no meu coração e mente. Toda aquelas palavras. Toda aquela luz.

A outra experiência foi numa reunião que estou participando aqui em Brasília. É a minha primeira reunião representando um espaço de militância ambiental no Conselho Nacional de Juventude.

Conheci um outro rapaz com deficiência e o tipo de deficiência é séria porque ele não anda, não consegue pegar direito as coisas com os braços, problemas na fala. Com tudo isso? Pensei! Como pode uma pessoa ter forças para enfrentar desafios tão grandes como reuniões, articulações e etc sendo uma pessoa com dificuldades físicas e motoras?

Então, fiquei pensando! Como o preconceito fica entranhado na nossa cultura. Até nos militantes atuantes existe um preconceito grande. Acredito que seja pelo hábito de não sentirmos de perto as opressões e dificuldades e isso está somente em textos folheados e palavras soltas em discursos.

Confesso que tive um sentimento estranho. Uma mistura de pena, comoção e cooperação.
E estou aqui pensando como me sinto privilegiado por está em espaços que quebre os paradigmas de minha mente e me faça refletir sobre a vida e os meus sentimentos.
Esses dois jovens me proporcionaram uma quebra de pré-conceito e me motivaram a enfrentar problemas e continuar na luta.

"O cego somos nós com as construções de conceitos distorcidos.
E aleijados somos nós por não conseguirmos caminhar com a mente e o coração.
A vocês deficientes do Brasil todo o meu respeito e Amor. Obrigado por me agregar conceitos..."

3 comentários:

aL disse...

muitas vezes é a Larisse (minha irmã deficiente), devido a tudo já vivido e sofrido, que me motiva a seguir.. Com seus 19 anos, é ela que me faz refletir e dar forças pra superar muita coisa. Essas pessoas sub-julgadas tão frágeis são cheias de vida, força e luz.. e a sensibilidade toma de conta!

e assim a gente segue, Fê.
Lutando contra esses pré-conceitos e agradecendo sempre, por tudo que temos e somos!

Rebeca Raso disse...

Fiquei pensando na capacidade que temos, seres humanos, de superar as expectativas que a sociedade constroe sobre nós mesmos, que nos faz pensar que somos limitados. Limitados no sentido de pensarmos que só temos condiçoes de vida se nos enquadrarmos nos padoes já estabelecidos, sermos homens ou mulheres, heterosexuais, termos todos os sentidos funcionando de uma determinada maneira, etc.
Essa forma de pensar que estabele a nossa sociedade, cria os pré-conceitos e as discriminaçoes sobre quem nao consegue estar dentro desses padroes. Entender, ver e conviver com as diferenças abre o nosso horizonte.

Edna Nunes disse...

FÊ e triste mais temos muito PRÉ CONCEITO.
A Estefany esta fazendo curso de pintura e lá tem um rapaz que pinta quadro com os pes e perfeito.