23/10/2015

Brincadeira paralisante

Ela brincava naquela casa grande.
Sentia-se protegida.
Ele chegou e disse que queria brincar também.
Ela nunca tinha conhecido aquela brincadeira.
Ele tirou a roupa.
Pediu para ela entrar no quarto.
Ela entrou mesmo não entendendo.
Ele pediu para ela sentar nele.
Pensando que estavam brincando.
Ela sentou nele.
Ele se esfregou.
Aquele órgão estranho na sua calçinha de criança.
Ela lembra de pouca coisa.
Não sabe quantas vezes brincaram daquilo.
E no fim de cada brincadeira ele sempre dizia que ela devia esquecer aquilo e nunca contar para ninguém.
Ela continuava não entendendo e com medo nunca contou para ninguém.
Ela nem sabia porque tinha medo.
Ela só tinha 6 anos.
Anos passaram e ela cresceu.
Entendeu que aquilo não era brincadeira. Lembrou de algumas cenas.
Ela sentiu um medo absurdo e uma dor absurda.
Ele deve estar por ai. Porque a família nem sabe o que aconteceu.
Ela sente cada momento do abuso. Até hoje ele anda na mente dela.
Hoje ela entende porque odiava tanto aquela casa.
Aquela brincadeira que não era brincadeira segue gravada na sua alma.
E ela segue paralisada sem coragem de dizer o quanto ele fez mal para a sua vida...

19/10/2015

Sem palavras


Tela em branco.
Por que em branco?
Esqueci que ela existe dentro de mim.
Ela quem?
As palavras, a poesia, a esperança e a desesperança.Ás vezes olho para tela em silêncio para ver se ela volta.
Essa poesia que faz nó na minha garganta e que se acumula em glândulas no meu peito.
Quero tirar ela do silêncio da minha alma que anda perdida na minha razão.Razão essa perdida no cotidiano da vida moderna.
Essa vida que anda me calando. Deixando a tela em branco.
Do nada lembrei de olhar para elas (as poesias). Tão intensas eram as palavras, tanta energia, amor, desilusão, encantamento...
Elas estão presas em diversas partes do meu corpo. 
Então, um livro me disse hoje que é preciso escrever para viver.
Estou aqui tentando fazer com que as palavras saiam.Doídas.
A dor necessária para que tenhamos pequenos grandes momentos de libertação.
Que as minhas telas sejam coloridas a partir de hoje! 
Não importa a cor ou a dor. 
Poesia saia.
Saiu...

15/04/2013

Acontece algo grande.
Nas redes armadas.
No aperto de mão.
No pé no chão.
No olhar de irmão.
O grande é tão grande que torna-se pequeno.
E ficamos cegos na inércia da vida.