17/06/2012

Oratório

Rogo-lhe o desejo que desejei.
Rogo-lhe a sede da boca das madrugadas, dias e noites.
Rogo-lhe o entrelaçamento dos corpos como entrelacei.
Rogo-lhe que olhe nos olhos e veja a alma em chamas como eu vi.
Rogo-lhe as lágrimas que eu chorei por horas e dias.
Rogo-lhe que seja enganado como me enganei.
Rogo-lhe a falta de sinceridade de outra pessoa e sentir como dói a decepção.
Rogo-lhe as promessas que fizemos e não realizou-se.
Rogo-lhe que seja desprezado e que a pessoa amada suma da sua vida sem dar explicação.
Rogo-lhe meu amor, que sinta a dor sentida em mim e entenda que tudo na vida vai e volta. É a lei natural das energias. 

Um comentário:

Su, disse...

eita praga! Oo