16/10/2010

"Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos." Antoine de Saint-Exupéry



Ultimamente ando levando a vida. Nesse sentido mesmo. Levando.
Não sei para onde. Mas, eu sigo ela do jeito que "planejei" no início do ano.
E no últimos meses a reflexão. Melhor a introspecção está me levando a me conhecer e a discernir.
Pode ser a dose dos 25 anos chegando. É uma dose basicamente rude.
Não acho que seja rude pela vida não.
A vida na realidade tem o seu lado rude. E pode ser que não quis enxerga-lo.
A rudes da vida.
Essa vida aqui terrena é intensa, é chata, é traiçoeira e tem o seu lado triste.
Como a minha sensibilidade é exatamente o que me conduz.
Esse momento de rudes vem com a mesma intensidade de um momento de felicidade.
Num tô aqui sendo pessimista ou algo assim. É a consciência me mostrando que até na rudes e na dureza temos que encontrar a leveza.
Mas, essa leveza pode está em nós mesmos, nos amigos e no universo espiritual que nos cerca.
Podemos ser felizes e leves com a música, filmes, comida e uma conversa ali da esquina.
E a felicidade pode ser vista no sorriso da criança.
Puxa o quanto é bom se apaixonar pela vida apesar dessas pedras rudes e pesadas...
Acho que nos últimos dois anos foram vivido 20 anos.
Foram momentos de muita tristeza, alegria, decepção, satisfação, conquistas, traições.
E nisso tudo eu me vi. EU! Fernanda Rodrigues com toda sensibilidade e defeitos.
Com todo romantismo e pessimismo.
E eu me vejo a cada dia.
Aprendi que nem tudo é visível aos olhos e nem sempre existe confiança nas pessoas.
Aprendi sobre os homens e as mulheres e como são difíceis e ao mesmo tempo irresistíveis.
E tudo isso que escrevi só saiu por um motivo.
O retorno a minha origem. O meu bairro. A minha casa.
Ela fica aqui na minha mente todos os dias.
Depois que a vi abaixo. Passei do lado e me vi lá.
A minha infância, adolescência e inicio da fase adulta.
Aquela casa me fez perceber que a vida segue e com ela a gente leva experiência e lembrança.
Percebi então que não sou mais criança. Entretanto, a inocência e liberdade da minha criança ainda permaneça em mim.
E também permanece a saudade dos meus.
A palavra é paciência, discernimento e força.
A vida é boa camaradas e ela somente será vida se for dura e leve como ela é.
Vivamos então.
Feliz quase 25 anos Fernanda. Com gosto de 45 ou não, né?


"O verdadeiro homem mede a sua força, quando se defronta com o obstáculo."
Antoine de Saint-Exupéry

Um comentário:

s. disse...

eu sinto peso na leveza..